RECOMEÇAR

Recomeçar é estar ferido e suportar; é estar cansado e continuar!

FLORESCIMENTO

O entendimento e a aceitação da capacidade em si direciona a um novo modo de ver a vida, o mundo e a nós mesmos.

AME-SE

Crônica publicada na Revista Ser Espírita.

CHICO XAVIER - TRAÇOS BIOGRÁFICOS

O sonho de todo médium é aproximar-se de sua obra!

O TEMPO E A ETERNIDADE

Não deixemos que o mal uso do tempo presente determine uma eternidade dolorosa.

26 de junho de 2011

Verdade

O que é a Verdade?

Acredito que sejam esperanças construídas por nós e que na maioria das vezes não perduram. Mas não perduram porque são mentiras, e sim porque as edificamos em cima de um terreno falso, improvisado e sem estabilidade. Criamos nossas verdades baseados em coisas que ouvimos e imaginamos serem "verdade" porque as "merecemos". Mas como saber se realmente merecemos e ter certeza dessa verdade?
A verdade? Nunca saberemos. Nunca teremos certeza absoluta. A verdade é um estado tão instável quanto a mentira. Só saberemos reconhecer a "verdade" ou a "mentira" quando aprendermos a reconhecer o que vai em nosso coração. Muitas vezes, desejamos tanto algo que somos traídos por nosso coração e nossa mente. Se você não sabe, eles trabalham juntos, trocando "informações" e se não analisarmos e filtrarmos seremos enganados por nós mesmos.
Devemos dar atenção aos sinais, mas não tomá-los como verdade. Observemos, analisemos, questionemos; sempre criticando toda e qualquer informação que recebemos para que consigamos em algum momento de nossas vidas ter certeza de estar tomando uma decisão certa, ou pelo menos, a mais adequada àquela situação. Penso inclusive, que mesmo a situação sendo desfavorável ela nos ensina. E a partir desse ensinamento aprenderemos a prestar a devida atenção ao que habita nossos corações, pois ele é nosso guia, mas também é nosso trangressor.

9 de junho de 2011

Juntar os cacos!

Todas as vezes que somos testados pela vida, a primeira pergunta que surge: "Porque?". E em seguida vem a afirmação: "Eu não mereço isso!". Mas ao fazer tal afirmação retornamos à pergunta inicial, e levamos um tempo nesse ciclo sem chegar a nenhuma resposta que nós convença ou satisfaça. No entanto, se substituirmos o "Porque?" da primeira pergunta por "Para que?" conseguiremos compreender não somente o significado, mas a sequência dos fatos que desencadearam esse evento em princípio adverso aos nossos paradigmas.
Não se trata de sair da posição de vítima e tornar-se algoz dos nossos sofrimentos, porém em parte temos uma parcela de culpa. Penso que não existe 100% vítima nem 100% culpado, sempre será 50% e o que define se serei mais que a metade é justamente meu comportamento ante à adversidade; o papel que assumo após o desenrolar dos fatos.
Cada situação em nossa vida que causa sofrimento deve ser encarada como uma oportunidade de rever nossos conceitos, que em determinado momento estão arraigados de sentimentos de posse, egoísmos, soberbas. Mesmo sendo dificil admitir, mas um evento que abala nossa estrutura, nos deixa desnorteados mostra-nos que temos força suficiente para dar a volta por cima, e mais ainda que levantaremos mais fortes e com nova perspectiva de vida. Até olhar nosso reflexo no espelho receberá novo significado. Compreenderemos que as antigas preocupações não serviram de nada, pelo contrário, só atrapalharam a visão do quadro geral da nossa vida.
Passaremos a perceber as adversidades na vida das outras pessoas com olhos de compaixão, justamente por lembrarmos das nossas quedas, tentaremos evitar a queda de nossos semelhantes. Aprenderemos a não desejar mal a ninguém, mesmo àqueles que nos desejam, apenas olharemos para ele e diremos: "não desejo a você o que houve comigo".
Mas claro que para agirmos dessa forma deveremos quebrar nossos paradigmas e reescrever nossa história!